A relação entre a pornografia de revanche e o cyberbullying

O mês de novembro de 2013 foi marcado pelo suicídio de duas adolescentes em um espaço de menos de 10 dias, gerando uma comoção nacional em todo o país. As duas tragédias foram relacionadas a situações de violência virtual decorrentes da divulgação de vídeos íntimos no aplicativo de celular What’sApp e a declaração de suicídio de uma dessas adolescentes foi anunciada na rede social do Twitter ocorrida pouco antes de ela se matar. Cabe ressaltar que o termo técnico para designar esta prática de violação da intimidade de uma pessoa na internet se chama pornografia de revanche (tradução livre de revenge porn)”.

O primeiro caso ocorreu na cidade de Veranópolis, no interior gaúcho, com uma jovem de 16 anos, após descobrir que fotos íntimas suas tinham sido divulgadas na internet sem o seu consentimento. Ela sofreu perseguição virtual (cyberbullying) e muito constrangimento na escola e na comunidade. Desesperada, acabou se suicidando. Cerca de 10 dias depois, uma adolescente de 17 anos da cidade de Pombal, interior da Paraíba, anunciou o seu suicídio no Twitter após terem sido divulgados vídeos íntimos no aplicativo de celular What´sApp. O principal suspeito da divulgação dos vídeos é o ex-namorado da vítima, que supostamente procurou vingança após o término do relacionamento. Amplamente divulgados pela mídia, os casos revelam uma preocupação crescente dos brasileiros com o suicídio de jovens vitimadas pela pornografia de revanche.

Um ponto importante é revelado por essas duas tragédias: o cyberbullying não é um fenômeno restrito a grandes centros urbanos, ele também ocorre em cidades do interior do Brasil, pequenas e pacatas. E é comum em pequenos distritos as pessoas se conhecerem e serem mais facilmente reconhecidos dentro de sua comunidade. Isso agrava muito os impactos causados pelo cyberbullying. O fenômeno se torna mais grave e complexo ainda, a medida que gera uma forte reação contrária entre os pares dos adolescentes e, de maneira geral, de toda a comunidade. Além disso, como o cyberbullying é um conceito relativamente novo, há muita dificuldade em se encontrar especialistas para tratar destas questões, tanto nos grandes centros como nas cidades interioranas. A pornografia de revanche e as situações de cyberbullying resultantes dela são assuntos complexos, para os quais as escolas brasileiras precisam estar preparadas.

A boa notícia é que Romário, o ex-jogador de futebol, hoje Deputado Federal, criou um projeto de lei que visa transformar a pornografia de revanche um crime. O projeto (PL 6630/2013) merece o apoio da sociedade, pois ele visa combater a divulgação indevida de imagens íntimas, muitas vezes praticados por ex-parceiros ou ex-parceiras que buscam vingança por não concordarem com o término do relacionamento. O projeto de lei é atual e de extrema relevância para as vítimas diretamente envolvidas nessas situações, para familiares, amigos, colegas de escola, contatos de redes sociais e para a comunidade como um todo, seja ela presencial ou virtual.

Deixa uma resposta

Sobre Ana Maria albuquerque

Ana Maria albuquerque

Sou Ana Maria Albuquerque Lima, psicóloga escolar especializada em vida digital e mestre em educação e curículo pela PUC São Paulo. Presta serviços de consultoria em prevenção aos riscos online. Realiza palestras e oficinas sobre prevenção ao bullying, uso compulsivo das tecnologias digitais, sexting e uso seguro das tecnologias digitais nas escolas. Autora do livro Cyberbullying e outros riscos na internet: despertando a atenção de pais e professores, publicado em 2011 pela editora Wak.