Porque alguns autores preferem não distinguir o termo bullying de cyberbullying?

Percebemos que não só no Brasil como também em outros países que especialistas perdem muita energia ao tentar diferenciar o fenômeno do bullying presencial com o do virtual. Alguns especialistas afirmam que o cyberbullying é um fenômeno mais novo e atual. Ao ler a tese da pesquisadora Danah Boyd que alerta sobre o problema vi que é mais pertinente usar apenas o termo bullyingpara lidar com os dois fenômenos de forma integrada. Mas por que isso é necessário?

Um dos aspectos refere-se ao fato de que a maioria dos jovens que possuem comportamento de risco na vida presencial também apresenta na vida online. Outro quesito a ser levado em consideração é o conceito de cibridismo discutido pela pesquisadora brasileira em tecnologia, Martha Gabriel que, por sua vez, critica especialistas que diferem o mundo presencial do online. Esta autora enfatiza o fim da relação online e off-line neste mundo cada vez mais conectado e mediado por tecnologias móveis e utiliza o conceito de cibridismo para explicar que não há um mundo online e outro off-line distinto. O que há são realidades mistas ampliadas, onde o digital só amplifica o que ocorre no presencial havendo uma integração entre o on e off o tempo todo. Estes aspectos devem ser visto de forma integrada e como um todo. De acordo com Beiguelman, o cibridismo refere-se a experiência contemporânea de estar entre redes, ou seja, estar on eoff-line.

Portanto, se levarmos em conta as observações da pesquisadora Danah Boyd e também as ponderações do movimento do cibridismo, o mais correto seria usar apenas o termo bullying e analisar o fenômeno de forma holística como redes mistas que interagem. Desta forma, a prevenção deve levar em conta, também, tanto o que ocorre nos ambientes presenciais da escola e arredores como também nos ambientes virtuais frequentados pelos alunos e trabalhando a temática de forma mais integrada.

Deixa uma resposta

Sobre Ana Maria albuquerque

Ana Maria albuquerque

Sou Ana Maria Albuquerque Lima, psicóloga escolar especializada em vida digital e mestre em educação e curículo pela PUC São Paulo. Presta serviços de consultoria em prevenção aos riscos online. Realiza palestras e oficinas sobre prevenção ao bullying, uso compulsivo das tecnologias digitais, sexting e uso seguro das tecnologias digitais nas escolas. Autora do livro Cyberbullying e outros riscos na internet: despertando a atenção de pais e professores, publicado em 2011 pela editora Wak.